Encontro de Apoio à Vida discute a prática do auto-acolhimento na Onco Hematos

Compartilhe:

Os pacientes da Clínica Onco Hematos, que integra a Rede AMO, Assistência Multidisciplinar em Oncologia, participaram do Encontro de Apoio à Vida, na tarde de sexta-feira, 27, com o tema “Qual a importância da prática do auto-acolhimento?”.

De acordo com a psicóloga da Onco Hematos, Viviana Aragão, o objetivo do evento foi trazer reflexões para os pacientes sobre como a prática do auto-acolhimento auxilia em todo o processo do tratamento oncológico. “Muitas vezes nós temos, até mesmo os pacientes oncológicos, uma autoexigência, uma necessidade de um comportamento perfeito no lidar com a doença. Promover o auto-acolhimento, é promover um entendimento de que você não precisa se exigir tanto, que você pode colocar muito de você, da sua essência, num processo que requer responsabilidade, mas que possa fluir e ser leve, da melhor maneira possível”, explicou.

“Quantas vezes durante a semana, nós paramos para refletir e buscar um olhar mais empático, mais compassivo, mais solidário com nós mesmos? Podemos fazer o que estar ao nosso alcance, mas vivendo de uma maneira que a gente não se cobre, porque isso é uma maneira de auto-acolhimento. É preciso acolher o outro, mas antes precisamos nos acolher”, reforçou a psicóloga.

Segundo a paciente Nadir Menezes, que participou pela primeira do encontro, desde quando descobriu que estava com câncer, há cerca de um mês, já buscou praticar o auto-acolhimento. “Eu acho que estou dando prioridade na minha vida à doença, então só de ter vindo hoje para esse evento eu acho que já estou me auto-acolhendo. Pude ouvir vários depoimentos das colegas pacientes, muitas vezes com mais fragilidades, outras com mais disposição. Mas todas trazem aquela tranquilidade e o ânimo de vencer essa batalha. Achei muito válido participar desse encontro, foi uma nova aprendizagem para mim”.

A paciente Maria do Nascimento participou pela segunda vez do encontro e informou que se sentiu muito emocionada. “Porque a gente se sente muito acolhida, amada, respeitada. Aqui temos muito carinho e nós sentimos com todo esse acolhimento que temos a certeza que vamos ficar bem. Gostei muito mesmo desse encontro”, disse a paciente.

Para a paciente Emília Dantas, momentos como esse trazem mais força e esperança para seguir em frente no tratamento. “Estar aqui e ter todo esse apoio é muito importante, porque a gente volta a alegria de viver que a gente pensou que tinha perdido. Eu já cheguei a pensar que ia morrer, tem momentos que pensamos negativos, nos cobramos demais, mas a vida é uma transformação constante, temos momentos difíceis, mas a gente vai aprendendo a lidar e a vencer. Para mim o principal é lidar com as questões psicológicas, para seguir com o tratamento sem medo, então esse momento de reflexão sobre nós mesmos foi muito importante”, finalizou.

Mais Notícias

foto-preto-e-branco-de-mulher-com-dor

Endometriose x Fibromialgia

O-que-e-melanoma-

Descubra os sinais cruciais do Melanoma

anemia

Anemia não é tudo igual

utero

Câncer de colo de útero: prevenção e conscientização

Em que podemos ajudar?